Controlo da infeção: «Todos os hospitais deveriam ter serviços de Epidemiologia clínica»

Alertar a comunidade científica e profissional para a importância da criação de serviços de Epidemiologia hospitalar foi um dos objetivos das I Jornadas de Epidemiologia Hospitalar e Controlo da Infeção, um evento organizado pela Associação Portuguesa de Infeção Hospitalar (APIH) e que decorreu esta quinta-feira.



Para Lúcio Meneses de Almeida, presidente da APIH, não há qualquer dúvida: “Todos os hospitais deveriam dispor de serviços de investigação, Epidemiologia clínica e de Saúde Pública hospitalar”.

Em declarações à Just News, refere que estes serviços de Epidemiologia hospitalar estão previstos desde a publicação do diploma, em 2015, "que estabelece disposições sobre a integração do Serviço de Investigação, Epidemiologia Clínica e de Saúde Pública Hospitalar nos hospitais, centros hospitalares e unidades locais de saúde".

Contudo, “atualmente, existe um único serviço no Centro Hospitalar Universitário de S. João (CHUSJ)". Logo, conclui, "foi um diploma inconsequente".

Papel fundamental no "planeamento dos serviços e dos recursos”

Conforme explica, estes serviços têm várias finalidades, daí a sua relevância. "A Epidemiologia hospitalar está relacionada com o controlo da infeção, com a qualidade e segurança dos cuidados, mas também com planeamento, eficiência e efetividade dos serviços.”


Lúcio Meneses de Almeida

O responsável realça ainda que “os hospitais estão muito vocacionados para a prestação de cuidados com base na capacidade que têm, mas que nem sempre dão resposta às necessidades da população”. Para evitar esse desajustamento, “a Epidemiologia é fundamental, contribuindo para a prevenção e controlo de surtos, mas também para um melhor planeamento dos serviços e dos recursos”.

Com poucas pessoas "é possível fazer-se um bom trabalho"

Questionado sobre as razões que estão por detrás da não aplicação do diploma desde 2015 – exceto no CHUSJ, Lúcio Meneses de Almeida é perentório: “Falta de sensibilização por parte da sociedade e do poder político.” E considera que "a possível solução", além de se continuar a alertar para a relevância da Epidemiologia hospitalar, "é a criação de uma rede de epidemiologistas".

Contudo, para que a mesma seja uma realidade, é preciso ter serviços de Epidemiologia dotados de meios e de recursos humanos diferenciados. E, como frisa, “não é necessário ter muitos recursos, pois com poucas pessoas, de qualidade, e a trabalharem em equipa é possível fazer-se um bom trabalho, porque o controlo da infeção é feito em equipa, numa conjugação de saberes e conhecimentos”.



"A Epidemiologia é essencial"

Estas foram as principais ideias que Lúcio Meneses de Almeida transmitiu também, de forma sumária, na sessão de abertura das I Jornadas de Epidemiologia Hospitalar e Controlo da Infeção.

O arranque do evento, que decorreu esta quinta-feira, contou igualmente com a participação de Mário Durval, delegado de Saúde Pública Regional da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT), e de Anabela Graça, diretora da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL).

Mário Durval também enfatizou o papel dos epidemiologistas no controlo da infeção. “A Epidemiologia é essencial, porque se não se conseguir ter uma visão da dinâmica dos microorganismos, certamente não iremos resolver este problema de saúde pública.”

O responsável relembrou, inclusive, que “na natureza do ponto de vista da Microbiologia, não existe o ‘el dorado’ da assepsia, logo a forma como se olha para os microorganismos das várias unidades de saúde é um desafio que se tem de vencer”. O especialista alertou ainda para a importância de ser ter “uma visão global, comunitária, que vá além do microcosmos das unidades”.


Mário Durval, Anabela Graça e Lúcio Meneses de Almeida

Cidadãos devem ser "promotores da saúde coletiva"

Anabela Graça também não deixou de sublinhar que “a infeção hospitalar é uma preocupação de todos e um problema de saúde pública”, daí a sua “necessária e premente resolução e discussão para se encontrar os melhores caminhos”. Como frisou ainda: “As infeções associadas aos cuidados de saúde (IACS) são inaceitáveis, sendo evitáveis através da adoção de determinadas atitudes e comportamentos.”

A diretora das ESTeSL relembrou também que o combate à infeção não se deve cingir aos profissionais de saúde, devendo envolver também os cidadãos, que "não devem ser "meros espetadores, mas promotores da saúde coletiva”.

seg.
ter.
qua.
qui.
sex.
sáb.
dom.

Digite o termo que deseja pesquisar no campo abaixo:

Eventos do dia 24/12/2017:

Imprimir