Projeto de investigação revela os custos e o impacto da nevralgia pós-herpética em Portugal

Na data em que se assinala o Dia Nacional de Luta Contra a Dor, investigadores do Centro Nacional de Observação em Dor e da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto divulgam pela primeira vez os resultados do Estudo "Custos e qualidade de vida em doentes com zona ou nevralgia pós-herpética, seguidos em Unidades de Dor em Portugal – Estudo observacional multicêntrico".

Um dos resultados mais significativos foi a elevada utilização de serviços de saúde por parte destes doentes e o subsequente e muito relevante impacto económico desta doença.

Durante o curso do episódio de herpes zoster ou nevralgia pós-herpética a média dos custos totais por doente são estimados em 3.331€. Para este valor contribuem sobretudo os custos diretos (medicação, consultas médicas, atendimentos em serviços de urgência, hospitalizações) que são estimados em 3.043€ e dos quais 2/3 representam unicamente custos com medicação.

Os custos indiretos são relativamente baixos, mas devem ser encarados no contexto de uma população idosa, maioritariamente reformada e onde apenas 60% reporta ter um cuidador dedicado.

O estudo agora divulgado teve ainda como objetivos avaliar os sintomas e as características da dor associada ao herpes zoster e à nevralgia pós-herpética e o
respetivo impacto na qualidade de vida do doente, quer ao nível das atividades diárias, quer ao nível da utilização de cuidados de saúde.

Relativamente às características da nevralgia pós-herpética, 28% dos doentes que participaram no estudo referiram dor durante um período de 7-12 meses, 23% durante 1-2 anos e 12% durante 2 a 3 anos. Cinquenta e cinco por cento referiram que a dor é constante e 34% que a mesma é diária. Para 26% dos doentes a intensidade da dor foi classificada como grave e muito grave e para 22% como moderada.

Na fase aguda do episódio de herpes zoster, 55% dos doentes relatou dor intensa e muito intensa e a localização da erupção cutânea foi sobretudo na região torácica e abdominal.

O estudo conclui ainda que 50% dos doentes já tiveram que recorrer a uma urgência hospitalar pelo menos uma vez e 7% permaneceram internados, em média por cerca de 10 dias.

OBSERVDOR:

Os resultados obtidos resultam do projeto de investigação da OBSERVDOR - Associação Centro Nacional de Observação em Dor, uma associação sem fins lucrativos, com a sede na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto.

A OBSERVDOR tem como objetivos:
a) Analisar a informação sobre prevalência, prevenção, diagnóstico e tratamento da dor, proveniente de fontes nacionais e internacionais;
b) Promover a monitorização da evolução dos indicadores constantes no Programa Nacional de Controlo da dor;
c) Avaliar o impacto da Dor na saúde e nas desigualdades em saúde;
d) Avaliar impacto socioeconómico da Dor;
e) Desenvolver projetos específicos de avaliação de necessidades de saúde no âmbito da Dor;
f) Identificar falhas na informação disponível e propor medidas para a sua correção;
g) Produzir relatórios periódicos sobre a evolução da prevalência, prevenção, diagnóstico e tratamento da dor em Portugal.

Imprimir