Centro Hospitalar do Alto Ave abre nova área em cirurgia de ambulatório

O Centro Hospitalar do Alto Ave abriu uma nova área para a pernoita dos doentes de cirurgia de ambulatório na sua Unidade de Guimarães. Um reaproveitamento de espaço junto ao Bloco Operatório Central permitiu a criação desta nova área com uma capacidade de 5 camas para estes doentes que ficam menos de 24 horas no Hospital.

A cirurgia de ambulatório é uma aposta forte do Ministério da Saúde na qual os doentes têm intervenções cirúrgicas permanecendo até 24 horas na unidade de saúde, não sendo internados. Até agora, os doentes que eram intervencionados, em regra no período da tarde, na Unidade de Cirurgia de Ambulatório (UCA) e necessitavam de passar uma noite do Hospital, eram colocados durante o seu período de pós-operatório numa área junto ao internamento propriamente dito, ocupando estas camas.

Numa lógica de promoção de maior eficiência e esforço contínuo de melhoria, este novo espaço irá, por um lado, permitir libertar camas para o internamento e, por outro lado, os doentes passarão a ter o acompanhamento direto da Equipa (concretamente dos enfermeiros) da UCA nos cuidados após a cirurgia. Na manhã do dia seguinte à intervenção, estes doentes têm alta.

Segundo o Presidente do Conselho de Administração, Delfim Rodrigues, “esta nova valia, para além da melhoria de conforto dos nossos doentes, irá permitir um incremento deste tipo de cirurgias no corrente ano de 2014. Nesta área de produção, já no ano de 2013, o Centro Hospitalar teve um aumento de 23%, com a realização de 6373 cirurgias de ambulatório. Agora passamos a ter estas camas exclusivas para os doentes de cirurgia de ambulatório”.


Centro Hospitalar recebeu 74 novos Internos

Também na área da formação médica, o Centro Hospitalar continua a sua aposta de ensino tendo recebido recentemente 74 novos internos. Destes, 59 pertencem ao ano comum do internado médico e 15 são novos internos da especialidade. Há vários anos que o Centro Hospitalar recebe diversos internos, reforçando a sua componente de ensino universitário em conjunto com os alunos do Curso de Medicina da Universidade do Minho, tendo inclusive já sido criada uma Comissão de Internos para debate de ideias e organização de atividades formativas. Como foi o exemplo recente de umas jornadas dedicadas à doença crónica que juntou, para diálogo, médicos do Centro Hospitalar e dos centros de saúde da sua área de influência.

Imprimir