Úlceras por pressão: APTFeridas lança versão portuguesa das guidelines internacionais

A versão portuguesa das novas guidelines internacionais de úlceras por pressão (UPP) é lançada e debatida no Congresso da APTFeridas - Associação Portuguesa de Tratamento de Feridas, que decorre este mês, em formato online, sob o tema “Rumo a uma nova dimensão”.  

“O tratamento de feridas assenta numa complexa abordagem do indivíduo que está incapacitado e necessita de ser tratado, sendo mais do que uma simples execução do penso ou curativo”, começa por sublinhar Paulo Alves, presidente da APTFeridas.


Paulo Alves

Em declarações à Just News, o enfermeiro Paulo Alves destaca, por isso mesmo, a relevância das novas guidelines, nomeadamente, por haver uma mudança no grau de importância de algumas medidas já preconizadas na prevenção e tratamento de UPP.

“O objetivo não é tê-las em papel ou formato digital, mas utilizá-las e implementá-las na prática, tendo em conta que algumas que antes eram consideradas de evidência de nível baixo, agora são de nível mais elevado”, afirma.

"A pessoa em situação crítica tem necessidades de prevenção específica"

O especialista e professor auxiliar da Universidade Católica Portuguesa realça também que, sobretudo em tempo de pandemia, uma das principais preocupações nesta área diz respeito aos longos períodos de internamento, nomeadamente em unidades de Cuidados Intensivos (UCI):

"Embora as UPP sejam um problema que surge em todos os contextos, do domicílio às unidades de saúde onde existem doentes com grau de dependência, é certo que o risco é mais elevado nas unidades de Cuidados Intensivos e a pessoa em situação crítica tem necessidades de prevenção específicas.” Um facto ainda mais premente no momento atual e ao longo dos próximos tempos, dado o impacto causado pela pandemia.

Por isso mesmo, Paulo Alves faz questão de destacar o empenho e a colaboração dos vários profissionais e membros da APTFeridas envolvidos na tradução e adaptação das guidelines para português, "de forma a facilitar a sua leitura, compreensão e implementação". 
 

Paulo Alves: "Nos dias 23 a 27 de novembro, aonde quer que se encontre... junte-se a nós, rumo a uma nova dimensão!"

Outro aspeto que faz questão de referir é a mobilização dos doentes, no pós-cirurgia, "existindo cada vez maior evidência de que o levante precoce contribui para a diminuição do risco de UPP".

Recorde-se que as guidelines foram desenvolvidas pelo National Pressure Ulcer Advisory Panel (NPUAP), pelo European Pressure Ulcer Advisory Panel (EPUAP), pela Pan Pacific Pressure Injury Alliance (PPPIA) e pela Asian Wound (Healing) Care Association (AWCA), tendo sido dadas a conhecer em 2019, a nível mundial. Passam agora também a estar disponíveis em português no site da APTFeridas. O Congresso da APTFeridas realiza-se entre os dias 23 e 27 de novembro.

Aumentar a qualidade de vida e reduzir custos

Paulo Alves salienta o especial enfoque na prevenção das novas recomendações. Na sua opinião, “a medição do risco deve ser faseada, centrando-se na avaliação clínica e também recorrendo a instrumentos de intervenção, nunca esquecendo parâmetros como ventilação, período de internamento, oxigenação da pele". Desta forma, "pode-se prevenir o aparecimento de UPP ou, já sendo uma realidade, a sua agudização".

E acrescenta: “na verdade, estamos habituados a pensar que as guidelines obrigam muitas vezes a um custo económico acrescido. No entanto, temos de olhar para as mesmas pensando na prevenção”.

Segundo o presidente da APTFeridas, há inúmeros trabalhos sobre o tratamento, sendo que "as indicações clínicas das guidelines apostam na prevenção. Orientam para as intervenções de prevenção, o que vai resultar na menor incidência daquele problema, reduzir os custos associados e aumentar a qualidade de vida."



Dia Internacional STOP UPP

Com o propósito de sensibilizar para o impacto das Úlceras por Pressão, no próximo dia 19 de novembro realiza-se, a partir das 18h00, mais um Dia Internacional STOP UPP.

À semelhança de anteriores anos, a APTFeridas vai assinalar esta data tão importante no combate às UPP "com algumas atividades de sensibilização". Apesar da iniciativa estar limitada pelas circunstâncias atuais da pandemia, "não quisemos deixar de a celebrar devidamente", refere Paulo Alves, realizando-se um webinar gratuito.


Imprimir