A abordagem das doenças crónicas «não se compadece com o modelo de resposta avulso»

“Se não formos capazes de preservar um modelo de organização hospitalar de resposta personalizada à pessoa portadora de doença crónica algo vai muito mal no sistema de saúde”, afirmou o secretário de Estado da Saúde, ao dirigir-se aos participantes na 3.ª Conferência de Valor da Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares (APAH), que decorreu, no último fim de semana, em Évora.

Manuel Delgado, que já presidiu à Associação agora dirigida por Alexandre Lourenço, sublinhou que “o envelhecimento, a multipatologia e a fortíssima dependência das pessoas dos serviços de saúde” constituem um novo problema das sociedades modernas.



Na sua intervenção, durante o jantar de trabalho, o governante defendeu que “a doença crónica não se compadece com o modelo de resposta avulso”, reclamando um "follow-up e uma monitorização do doente constantes". 

Para Manuel Delgado, isso implica “uma abordagem integrada, em que o médico de família vai continuar a ser o pivot do doente, mas tem de interagir diariamente com os médicos dos hospitais, os enfermeiros, os fisioterapeutas, ou os assistentes sociais, entre outros profissionais de saúde”.

Também o administrador hospitalar Francisco Guerreiro, presidente da 3.ª Conferência de Valor APAH, já se tinha referido, na abertura da reunião, ao envelhecimento da população e consequente aumento da prevalência das doenças crónicas.

Segundo disse, este facto “coloca novos e acrescidos desafios ao bom funcionamento e articulação do setor da saúde e especialmente a toda a estrutura e rede do SNS – centros de saúde, hospitais, unidades e cuidados continuados”.


Francisco Guerreiro, Nick Goodwin, Manuel Delgado e Alexandre Lourenço

Recorrendo a dados concretos, Francisco Guerreiro referiu que em 1979, ano em que foi criado o SNS, 11% da população tinha 65 ou mais anos, uma percentagem que, até 2016, haveria de duplicar (21%).

Neste período de 37 anos, em Portugal, o índice de envelhecimento aumentou substancialmente. Conforme mencionou Francisco Guerreiro, em 1979, era de 42 idosos por cada 100 jovens, passando, em 2016, para 149 por cada 100 jovens.

Cuidados continuados: um “benefício para o sistema”

Manuel Delgado sublinhou que os cuidados continuados foram uma inovação importante que surgiu em Portugal em 2007, representando um “benefício para o sistema”, sendo uma área em que o Governo "continua a apostar, incluindo nos cuidados continuados em saúde mental".

No entanto, por vezes, as altas para cuidados continuados são dadas “sem grande consistência” e os doentes não estão preparados, acabando por regressar aos hospitais.

No seu discurso, o secretário de Estado da Saúde abordou outras questões, como o facto de Portugal ter demoras médias de internamento relativamente elevadas no contexto europeu, de o internamento ser muito oriundo das urgências (98% na área da medicina e especialidades médicas e 40% na área das cirurgias) e muito baseado nas especialidades – médicas e cirúrgicas.

Homenagem a quatro “patrimónios da Administração Hospitalar de Évora”

Entretanto, a APAH decidiu homenagear quatro administradores hospitalares de Évora: José Cosinha, Manuel Fialho, António Paulino e o próprio presidente do evento, Francisco Guerreiro.

Manuel Delgado, Manuel Fialho, Francisco Guerreiro, José Cosinha, António Paulino e Alexandre Lourenço 


Fazendo um paralelismo com o facto de aquela cidade ser classificada pela UNESCO Património da Humanidade, o presidente da APAH, Alexandre Lourenço, apresentou-os como “patrimónios da Administração Hospitalar de Évora”.

“A integração de cuidados, um desafio partilhado”

Antes do jantar de trabalho, teve lugar a palestra APAH TALKS “A integração de cuidados, um desafio partilhado”, proferida por Nick Goodwin, CEO da International Foundation for Integrated Care (Reino Unido).


Imprimir


Médicos de família assinalam Dia Mundial da Asma 2019 na Sertã