Reduzir as infeções com o envolvimento de todos, «não apenas do setor da saúde»

“Se queremos intervir no controlo das infeções nas unidades de saúde temos que pensar na tríade profissionais de saúde/circuitos e processos/estruturas, equipamentos e instalações.” O apelo é de Lúcio Meneses de Almeida, presidente da Associação Portuguesa de Infeção Hospitalar (APIH), que realizou há dias o Congresso “Infeção: Prevenção e Controlo”.

Em declarações à Just News, Lúcio Meneses de Almeida defende que “se as unidades de saúde dispuserem de instalações devidamente planeadas, que permitem ter os circuitos corretos de circulação de profissionais e de doentes, mais facilmente se consegue prevenir e controlar a infeção”.


O Congresso, realizado em Coimbra, permitiu celebrar os 30 anos da APIH

Envolvimento "da própria comunidade"

O presidente da APIH relembra que “as infeções associadas aos cuidados de saúde (IACS) irão sempre existir, contudo pode-se diminuir a sua incidência, controlando-a, se houver o envolvimento de todos os setores da sociedade – que não apenas o da Saúde”.

Nesse sentido, refere que é preciso contar com o papel dos mais diversos intervenientes, "quer sejam farmacêuticos, médicos, enfermeiros, técnicos, engenheiros, arquitetos, entre outros, e a própria comunidade".

O médico de Saúde Pública realça ainda o papel dos administradores hospitalares. “São os gestores e administradores das unidades de saúde que facultam os recursos necessários para que os profissionais possam combater as IACS.”

Outro aspeto é o uso inadequado de antimicrobianos. “Mesmo neste caso específico não nos podemos cingir ao setor da Saúde, por exemplo na agropecuária também se utilizam antibióticos; a população pode, assim, ingerir medicamentos antimicrobianos sem o saber. Esta conduta também configura uma ameaça à Saúde Pública, uma vez que a eficácia destes medicamentos pode ficar comprometida no futuro.”


Elementos da Direção da APIH

Homenagens a personalidades de diversas áreas do conhecimento

Além do debate em torno destas várias questões, o Congresso ficou também marcado pela homenagem a várias pessoas, pelo seu papel no combate à infeção que, sublinha Lúcio Meneses de Almeida, é “um problema de Saúde Pública à escala global”.

Ao todo foram 19 as pessoas que viram o seu trabalho reconhecido na área do controlo da infeção. “Além de pessoas mais ligadas à APIH, nomeadamente fundadores e dirigentes que cumpriram os critérios previstos no regulamento previamente aprovado, também quisemos reconhecer outras personalidades de relevo, como o Dr. Francisco George, que tanto fez pelo combate contra este problema de saúde pública, sobretudo quando foi diretor-geral da Saúde.”

Como relembra, foi “no tempo do Dr. Francisco George que foi criado o Programa Nacional de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência a Antimicrobianos (PPCIRA) ”.

Entre os homenageados, houve personalidades das diversas áreas ligadas ao controlo da infeção que se tornaram associados honorários da APIH. “Esta diversidade de saberes espelha a luta que deve ser de todos”, afirma o responsável.



Em jeito de balanço, Lúcio Meneses de Almeida não hesita em considerar o evento realizado a semana passada como "um verdadeiro sucesso".

O presidente da APIH destaca a presença "muito expressiva" de participantes, mais de duas centenas, "o que nos permitiu, em conjunto com a qualidade das mesas e a presença de convidados institucionais e altos dirigentes da Saúde, celebrar os 30 anos da APIH de forma condigna”.

Partir do conhecimento "para a ação"

No âmbito do "processo de dinamização" que Lúcio Meneses de Almeida pretende implementar no seio APIH, o médico adianta que, "além da remodelação do site e de outras ações, pretendemos levar a cabo, em 2019, umas jornadas sobre epidemiologia em unidades de saúde".

E sublinha que o controlo da infeção assenta nisso mesmo: "No conhecimento para a ação, no âmbito concreto do controlo da infeção." 



seg.
ter.
qua.
qui.
sex.
sáb.
dom.

Digite o termo que deseja pesquisar no campo abaixo:

Eventos do dia 24/12/2017:

Imprimir