Infarmed divulga estudo sobre a evolução do consumo dos psicofármacos em Portugal

O Infarmed - Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde acaba de divulgar um estudo sobre a utilização de psicofármacos em Portugal Continental entre os anos 2000 e 2012. O documento revela que durante este período ocorreu um aumento do consumo de psicofármacos, expresso através das DDD por 1000 habitantes dia (DHD), em todos os subgrupos mas mais evidente nos antidepressores (+240%) e antipsicóticos (+171%).

No que respeita à despesa com psicofármacos a partir de 2011, com a eliminação do regime especial de comparticipação os encargos do SNS diminuíram e em 2012 observou-se um decréscimo tanto dos encargos do SNS como dos utentes.

Comparando com outros países europeus verifica-se que Portugal apresenta um consumo de antidepressores (88 DHD) superior ao apresentado na Itália (37 DHD) e Noruega (57 DHD), mas similar ao da Dinamarca (93 DHD).

No que se refere aos ansiolíticos, sedativos e hipnóticos o consumo em Itália (53 DHD), Noruega (62 DHD) e Dinamarca (31 DHD) é bastante inferior ao verificado em Portugal (96 DHD). Os valores elevados de consumo podem significar que os tratamentos são mais prolongados do que o indicado. Este é um importante problema de saúde pública que deve ser alvo de uma intervenção mais direccionada.

O relatório pode ser consultado aqui.

Imprimir