24.º Congresso Nacional de Medicina Interna

Entre os dias 31 de maio e 3 de junho de 2018 realiza-se, no Centro de Congressos do Algarve, o 24.º Congresso Nacional de Medicina Interna (CNMI), presidido por Estevão Pape, diretor de serviço.

“Medicina Interna sem Margens” foi o lema escolhido para o evento. Segundo Estevão Pape, “os horizontes da Medicina Interna são vastos, devendo os internistas empenhar-se em todas as funções hospitalares e extra hospitalares”, sem limites.

Em declarações à Just News no penúltimo dia do 23.º CNMI, o médico esclareceu que a ideia que está na base do lema escolhido reuniu o consenso da Comissão Organizadora do Congresso, cujos elementos pertencem ao Serviço de Medicina Interna do Hospital Garcia de Orta (HGO).


Estevão Pape, Francisca Delerue, Mário Amaro, Conceição Escarigo e Pedro Correia Azevedo.

Para Estevão Pape, a Medicina Interna não deve ter mesmo limites. “Não devemos fechar-nos no hospital, à comunidade e ao doente. Nós somos o grande pilar dos hospitais”, disse.

“Com as múltiplas atividades que desenvolvemos, por vezes, perdemos tempo que deve ser ganho noutras, como, por exemplo, no contacto com diferentes especialidades, tendo uma proatividade na vida hospitalar e não só”, referiu.

Para o presidente do 24.º CNMI, têm de ser os internistas a envolver-se em outras atividades, quer da administração de saúde, quer mesmo na atividade privada: "A Unidade de Hospitalização Domiciliária do Garcia de Orta, a primeira criada em Portugal, é um bom exemplo deste envolvimento".

O programa pode ser consultado aqui.

Envolver os internos no processo de decisão

Os internos da especialidade de MI terão no Congresso de 2018 um lugar de "grande destaque", tendo também sido criada, pela primeira vez, uma comissão organizadora constituída apenas por internos, que será presidida por Inês Pintassilgo. “Temos de dar aos internos atividade formativa, de investigação, e precisamos trazê-los também à decisão. Têm de ser formados para que a própria MI, no futuro, não tenha margens”, defendeu.

Uma das inovações do programa científico será a existência de um espaço de temas apresentados de internos para internos e destes para os especialistas. “O 23.º CNMI teve mais de 2000 participantes, com elevada percentagem de internos de MI. Os internistas mais velhos e com cargos diretivos têm de os ouvir e de os chamar à atenção em muitas ocasiões, porque às vezes é aí que poderá estar o segredo da gestão hospitalar no futuro”, justifica Estevão Pape.


Luís Campos, presidente da SPMI, e Estevão Pape.

Questionado sobre as suas expectativas para o evento, afirmou esperar “que seja um congresso moderno, sem limites e muito estimulado pelos internistas jovens”. E mais: “Temos a confiança da Direção da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna, que muito agradecemos.”

Organização do 24.º CNMI


Presidente:
Estevão Pape


Secretários-gerais

Pedro Correia Azevedo

Rita Nortadas


Tesoureira:
Conceição Escarigo


Comissão Organizadora:
Mário Amaro


Comissão Científica:
Francisca Delerue

Imprimir